Biopesca


Tartaruga-de-couro desova em Itanhaém

20/02/2021

A equipe do Instituto Biopesca que executa o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) está, desde ontem à noite, monitorando o ninho de uma tartaruga-de-couro (Dermochelys coriacea) que desovou na praia do Suarão, em Itanhaém (SP).

A equipe foi acionada para ir até a praia por volta das 20h20 e, ao chegar, constatou que ela já estava fechando o ninho. Os profissionais da organização adotaram, então, todos os procedimentos para proteger o local e a tartaruga, como apagar as luzes do entorno, pedir para a população se manter afastada, não fazer fotos com flashes e manter silêncio, além de cercar o ninho. “Tivemos todo o apoio da população, que se manteve afastada, e do dono do Quiosque dos Amigos,  que estava com as luzes acesas e foi até lá para desligá-las”, comentou Arthur Baptista, técnico de campo do Instituto Biopesca. “Também contamos com a valiosa colaboração da Guarda Civil Municipal de Itanhaém, que está nos apoiando na operação”.

“A tartaruga tem 1m77 de comprimento e foi anilhada no local, procedimento importante que consiste na colocação de um tipo de brinco de metal e colabora para estudos voltados à conservação da espécie”, comenta Vanessa Ribeiro, médica veterinária do Instituto Biopesca. Logo após receber a anilha e ter sido medida, a tartaruga voltou para o mar. Ela ficou na praia durante aproximadamente três horas.

O ninho foi vistoriado para confirmar a postura e as providências agora incluem a continuidade do monitoramento pelo Instituto Biopesca, com o apoio de especialistas, e o isolamento do local. “Pedimos à população que continue colaborando e se mantenha afastada do local”, reforça Vanessa.

De acordo com informações do Projeto Tamar, a área conhecida com desovas regulares dessa espécie situa-se no litoral norte do Espírito Santo. “No entanto, elas podem também desovar em outras praias. Por exemplo, sabemos que, em 2020, houve casos em Ilha Bela, no litoral norte de São Paulo”, comenta Vanessa. “Já estamos monitorando essa tartaruga há algumas semanas. Ela já havia sido avistada em Praia Grande”, diz. A postura pode chegar a mais de 100 ovos, que devem eclodir em aproximadamente 50 dias. Até lá, a equipe do Instituto Biopesca estará monitorando o local.

A tartaruga-de-couro vive em todos os oceanos tropicais e temperados do mundo e, no Brasil, está criticamente em perigo de extinção. Seu peso, em média, é de 400 kg, de acordo com informações do Projeto Tamar.

O Instituto Biopesca é uma das instituições executoras do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos. O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. O Instituto Biopesca monitora o Trecho 8, compreendido entre Peruíbe e Praia Grande.

Para acionar o serviço de resgate de mamíferos, tartarugas e aves marinhas, vivos debilitados, ou mortos, entre em contato pelos telefones 0800 642 3341 (horário comercial) ou (13) 99601-2570 (WhatsApp e chamada a cobrar).

Para mais informações, acesse www.comunicabaciadesantos.com.br

Imagens de vídeo: Luciano Netto/Secretaria de Comunicação de Itanhaém

Foto: Alice Americano/Instituto Biopesca

Navegação de postagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *