Biopesca


Baleia-jubarte juvenil encalha em Itanhaém

15/10/2019

Uma baleia-jubarte (Megaptera novaeangliae) juvenil morta foi analisada pelo Instituto Biopesca ontem (14), no bairro Cibratel, em Itanhaém (SP), durante execução do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), após o Instituto ser acionado pela população.

De acordo com a veterinária Vanessa Ribeiro, do Biopesca, o animal tinha pouco mais de oito metros e já estava em avançado estado de decomposição. Ainda assim, foi possível identificar marcas de rede de pesca.

A necropsia foi realizada no local para colher amostras biológicas, a fim de tentar identificar a causa da morte da baleia. “É comum avistar a espécie em território brasileiro nessa época do ano, uma vez que, elas saem das águas frias da Antártida e chegam, em julho, às águas calmas e quentes de Abrolhos (BA) para se reproduzir”, explica a veterinária.

O Instituto Biopesca é uma das instituições executoras do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. O Instituto Biopesca monitora o Trecho 8, compreendido entre Peruíbe e Praia Grande.

Para acionar o serviço de resgate de golfinhos, tartarugas e aves marinhas, vivos debilitados ou mortos, entre em contato pelos telefones 0800 642 3341 (horário comercial) ou (13) 99601-2570 (WhatsApp e chamada a cobrar).

Foto: Kaio Nunes/Instituto Biopesca

Amostras dos órgãos da baleia juvenil foram coletadas para tentar identificar, em laboratório especializado, a causa da morte dela

Navegação de postagens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *